Seris implanta sistema de materiais bélicos em cooperação com PC

Termo de cooperação vai possibilitar mais controle, segurança e operacionalidade na utilização dos equipamentos

64
Termo de cooperação entre Seris e Polícia Civil vai possibilitar mais controle com material bélico

Integração e tecnologia para levar mais segurança para sociedade. Esta semana, o secretário da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), coronel  Marcos Sérgio de Freitas, assinou um termo de cooperação técnica com a Polícia Civil para implantar o sistema de gerenciamento dos materiais bélicos e acessórios na Seris e, consequentemente, otimizar as ações operacionais.

O gerente de Estatística e Informática (Geinfo) da Polícia Civil, delegado Aydes Ponciano, explica que na Polícia Civil o sistema é utilizado há dois anos, contribuindo com a gestão dos recursos e materiais bélicos utilizados pelos servidores. Cautelas de armas e permissões também são anexados no sistema junto com o histórico dos agentes que utilizaram o equipamento.

“O sistema prisional está avançando no controle do armamento e munição. Queremos fazer o acautelamento de armas de forma individual e o programa vai contribuir para isso. Agradeço a Polícia Civil pela apresentação e espero que através da assinatura do termo de cooperação ocorra a cessão desse programa”, disse o secretário da Ressocialização, coronel Marcos Sérgio.

“O sistema está em constante evolução e acredito que, como a Seris está com um acervo bélico em crescimento, é importante ter uma ferramenta de controle e gestão efetiva”, afirma o delegado Aydes Ponciano. O assessor técnico do Núcleo de Regulamentação, Registro e Controle de Armas, Munições e Explosivos, Ednildo Macena, também lista outras vantagens do sistema.

“Além das características das armas, o sistema que será implantado na Seris lista o número da nota fiscal e do processo, a data de aquisição e informações importantes que podem ser requisitadas futuramente para esclarecer determinados assuntos. Esse controle permite o acesso a informações de forma rápida e segura, otimizando o trabalho dos agentes”, conclui Macena.

COMPARTILHAR