22 C
Maceió, BR
| 14 de outubro de 2019 |
Delegacia Geral – Polícia Civil de Alagoas

Polícia Civil cria força-tarefa para combater violência contra a mulher e evitar feminicídios

Delegado-geral Paulo Cerqueira afirma que esses significativos índices são fruto dos esforços dos integrantes da Polícia Civil que vêm aprimorando os métodos de investigação e oferecendo toda a atenção devida aos crimes contra as mulheres, especialmente os casos de homicídio. ( Foto: ASCOM-PC )
Print Friendly, PDF & Email

Para reforçar o combate à violência contra as mulheres e a prevenção de feminicídios em Alagoas, a Polícia Civil criou uma força-tarefa para agilizar a apuração de crimes desta natureza. O objetivo é que os autores sejam presos nas primeiras 24 horas após as ocorrências. Para isso, a integração entre as forças policiais será intensificada e passa a ser monitorada diária e diretamente pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP).

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, os delegados responsáveis por essas investigações, em qualquer cidade alagoana, poderão solicitar apoio de grupos operacionais especiais da PC, como a Asfixia e o Tigre (Tático Integrado de Grupos de Resgates Especiais). A determinação já foi repassada aos quatro diretores de área da Polícia Civil, que darão suporte imediato às delegacias da PC nos municípios.

Dessa forma, a força-tarefa da PC vai dar ainda mais celeridade às investigações de crimes de violência e ameaça contra a mulher. “Estamos intensificando o trabalho para reduzir os ataques à mulher e acabar com a impunidade”, afirmou Paulo Cerqueira.

Segundo determinação do secretário de Segurança Pública, Lima Júnior, a Polícia Militar prestará maior suporte à Polícia Civil nas investigações de crimes com características de feminicídio e de outros atos violentos contra mulheres. “Esse trabalho integrado inclui ações preventivas para evitar que a mulher vire alvo. Temos que proteger as mulheres que estão em situação vulnerável e evitar o pior. O homicídio, um dos piores crimes que se pode cometer, já é prioridade na Segurança Pública de Alagoas, e o feminicídio passa a ter ainda mais prioridade”, afirma o secretário.

Segurança Pública vai monitorar diariamente o trabalho integrado das polícias (Márcio Ferreira e Ascom PC/AL)
Secretário de Segurança Pública, Lima Júnior, destaca a integração das forças de segurança

O delegado-geral da PC destaca que a denúncia da vítima ou de familiares e amigos é fundamental para que o autor seja encontrado e detido: “É importante lembrar que toda mulher que for vítima de violência pode procurar uma das nossas delegacias ou ligar para o Disque Denúncia (181) para denunciar o caso de forma anônima e sigilosa. Essa denúncia faz com que a polícia possa, mais rapidamente, tirar o acusado de circulação e evitar novos crimes contra mulheres”.

As medidas atendem à determinação do governador Renan Filho, que garantiu ainda mais rigor no combate a esse tipo de crime e à cultura da violência contra a mulher, com uma investigação célere e aprofundada dos casos ocorridos no estado.

“Aqui em Alagoas, determinei à Polícia Civil que os feminicídios sejam investigados célere e profundamente, a fim de que todos esses ‘marmanjos’, que atentam contra a vida de mulheres, sejam exemplarmente punidos. Vou endurecer ainda mais o combate a esse tipo de crime”, afirmou Renan Filho em rede social, após o assassinato da alagoana Maria Elitácia dos Santos, 22 anos, morta a tiros pelo ex-marido no interior de São Paulo.

Patrulha Maria da Penha evita feminicídios

As ações integradas das polícias alagoanas visam tanto à identificação e prisão dos autores, quanto à prevenção da violência à mulher. A Patrulha Maria da Penha, batalhão da Polícia Militar que há um ano garante a segurança de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, atualmente acompanha 109 mulheres.

Diariamente, os militares realizam visitas para fiscalizar o cumprimento das medidas protetivas determinadas pelo Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher e encaminhadas à Patrulha. As medidas protetivas obrigam os agressores a não se aproximarem das vítimas.

Segundo o secretário Lima Júnior, além da patrulha, a PM trabalha na elaboração de novas estratégias para coibir esses crimes.

VEJA MAIS

Policiais civis são homenageados com a Comenda Anderson de Lima Silva

ASCOM/PC

Polícia Civil divulga desaparecimento de menina de 13 anos

ASCOM/PC

Abertas inscrições para Curso de Veículo de Emergência

ASCOM/PC