Matéria

Secretaria da Segurança Pública apresenta balanço da Operação Loki durante coletiva

Polícia Civil indicia 77 pessoas por fraude em concurso público e por integrar organização criminosa que atuou em quatro estados nordestinos

por: ASCOM SSP| Data e hora da publicação: 18/05/2022 - 15:27| Visualizações: 298 Whatsapp
imagem da materia

A Secretaria de Estado da Segurança Pública de Alagoas (SSP) realizou uma coletiva, na manhã desta quarta-feira (18), para apresentar o resultado das investigações da Operação Loki, que apurou fraudes em sete concursos públicos e desarticulou uma organização criminosa atuante em Alagoas e outros três estados do Nordeste.

De acordo com os trabalhos coordenados pelo delegado-geral da Polícia Civil, Gustavo Xavier, que durante as primeiras ações estava à frente da Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC), 77 pessoas participaram das ações delituosas, sendo todas indiciadas pelos crimes de fraude em concurso público qualificado e organização criminosa. Os investigadores também pediram à Justiça o afastamento de 61 candidatos do certame.

Todos os afastados já foram eliminados dos concursos pela própria empresa organizadora. No total, foram 20 candidatos ao cargo de Agente de Polícia Civil, 37 candidatos a soldado e dez a oficial da PM, e seis ao cargo de soldado do Corpo de Bombeiros Militar. Alguns foram eliminados em mais de um certame.

“A população ajudou bastante através de denúncias na identificação dos fraudadores, que atuavam nos estados de Alagoas, Paraíba, Sergipe e Pernambuco. Desde as primeiras informações, iniciamos as ações e conseguimos prender 17 pessoas. Os materiais apreendidos durante a operação foram vastos. Fizemos análises em cerca de 29 terabytes de dados com os melhores equipamentos usados no mercado, tudo com apoio do Instituto de Criminalística de Alagoas e também do Governo Federal”, afirmou o delegado-geral.

O secretário executivo de Gestão Interna da SSP, delegado José Carlos dos Santos, que integrou a comissão responsável pela investigação detalhou como agiam os fraudadores durante a realização das provas.

“Um indivíduo se inscrevia no concurso somente com o objetivo de, logo de início da aplicação, levar a prova escondida no corpo até o banheiro, onde enviava imagens para o ambiente externo usando equipamento bem pequeno, que não eram reconhecidos nos detectores de metais usados pelas empresas organizadoras. Professores recebiam as questões, respondiam e repassavam apenas as alternativas corretas por ponto eletrônicos, que ficavam conectados por bluetooth a dispositivos pesos no corpo capazes de receber SMS e chamadas, como relógios”, disse ele reforçando que até nas provas discursivas, os orientadores repassavam informações relacionadas aos temas discutidos.  “Os candidatos inclusive buscavam de todas as formas a aprovação, realizando quantos certames fossem necessários para conquistar o objetivo”.

Em média, cada candidato pagava uma entrada de R$ 5.000 pela aprovação em concurso de nível médio e o dobro para as vagas em nível superior. Após a nomeação, o segundo pagamento seguia regras a cada caso, mas sempre com base no valor da margem para o empréstimo consignado. Houve cobranças de R$ 100 mil.

Ainda de acordo com as investigações, há indícios da atuação da fraude em concursos das empresas como Cebraspe, Cesgranrio, FGV e bancas regionais. Todas elas foram comunicadas sobre as apurações e constatações. “Informamos sobre o modus operandi da organização criminosa para que elas tomem providência no sentido de reforçar as ações que garantam uma maior segurança na realização das provas dos próximos certames”, concluiu o secretário de Gestão Interna.

“A conclusão da investigação não tem só um efeito repressivo, nós queremos garantir que os próximos concursos sejam ainda mais vigiados e fiscalizados. Também reforçamos aos que estão estudando que se sintam mais seguros, pois estamos atuando para que as futuras provas sejam realizadas da forma mais lícita possível”, enalteceu o delegado Lucimério Campos, que também fez parte das investigações.

O secretário de Segurança Pública, Flávio Saraiva, enalteceu o trabalho desempenhado durante a operação. “Essa foi a maior ação da Polícia Civil pela vasta quantidade de dados e dispositivos analisados. Um trabalho importante e integrado especialmente com as agências de inteligência, que não permitiu o ingresso de criminosos nas forças da segurança”, frisou.

Também estiveram presentes na coletiva o secretário executivo de Segurança Pública, tenente-coronel Patrick Madeiro, e o perito-geral da Polícia Científica, Manoel Melo.

Galeria da matéria

  • ...
  • ...
  • ...
  • ...

© 2020 Polícia Civil de Alagoas

Menu